Droides de Star Wars – Droide Octuptarra (Canônico e Legends)

Nome: Tri-Droide de Combate Octuptarra.

Produção: União Tecnológica.

Função: Combate Pesado e Suporte.

Afiliação: Confederação.

Frase: “Os Separatistas tem droides “virus”, então chequem seus capacetes e respiradores. Um tiro letal pode soltar uma contaminação desconhecida.” – Comandante clone Gree, antes da Batalha de Uba IV.

Sendo o mais “alienígena” de todos os droides, o octuptarra foi o droide mais esquisito que a Confederação já teve.

Porém, para os Skakoans, os seres que dominavam a União Tecnológica, eles consideravam os octuptarras como membros de sua sociedade. O design do droide se baseou no verdadeiro octuptarra que habitava o planeta gasoso de Skako e produzia grandes quantidades de metano. O droide é bem parecido com a criatura, mas só possui três pernas, ganhando o apelido de “Tri-Droide”.

Simétrico em seu formato, o octuptarra podia disparar para todas as direções graças a sua cabeça giratória. Também podia ficar de ponta cabeça graças ao seu incrível peso leve. O módulo de controle do droide ficava localizado na cabeça, mas era muito mal protegido e facilmente destruído por fogo inimigo. Muitos comandantes separatistas descobriram que o octuptarra era um excelente droide de longa distância graças aos seus três canhões pesados que possuíam um enorme alcance.

Como os droides-carangueijos, os octuptarras podiam ser produzidos de vários tamanhos diferentes. A maioria tinha o tamanho de um homem adulto, mas alguns eram do tamanho de tanques de guerra. Esses modelos maiores foram usados como artilharia para os Tanques-Aranhas da Guilda Comercial avançarem sobre as defesas inimigas com mais facilidade.

Durante o primeiro ano das Guerras Clônicas, cientistas separatistas desenvolveram várias armas biológicas. Uma dessas armas era um vírus que só infectava e matava clones. Esse vírus foi instalado em cápsulas que eram lançadas da cabeça do octuptarra droide. O droide corria até um grande número de clones e soltava as cápsulas que então vazavam o vírus na sua forma gasosa. A República rapidamente desenvolveu um antídoto, mas o octuptarra ganharia um novo nome: o Vírus Droide.

Centenas de Octuptarras foram usados no ataque contra Coruscant. Após a batalha, algumas unidades sobreviventes escapariam para os subterrâneos do planeta. Porém, com o passar dos anos, os droides ficariam sem energia e acabariam vazando amostras do vírus. Esse vírus sofreria uma pesada mutação e mataria milhares de habitantes dos níveis subterrâneos de Coruscant.

Após as Guerras Clônicas, os octuptarras sobreviventes se estabeleceram em Uba IV, um planeta industrial separatista e se tornariam os “cães de guarda” dos temíveis ubeses.

Fonte: Star Wars – The New Essential Guide to Droids (livro).

No responses yet

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *